quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Sinais de vida

No final de semana, o ex-governador Esperidião Amin (PP) enviou um artigo para diversos colunistas em que utiliza os dados da última projeção populacional do IBGE para criticar o governo de Luiz Henrique da Silveira, que o derrotou em 2002 e 2006.

A relação é clara. Se o principal mote das campanhas do peemedebista foi a descentralização administrativa, que ajudaria a evitar o êxodo da população das cidades do interior para o litoral, porque os números do IBGE, depois de seis anos de governo LHS, apontam o aumento das população das cidades litorâneas?

O ex-governador se mostra afiado ao relembrar a promessa feita por LHS de acabar com a "ambulancioterapia" - palavra mágica criada pelo marketing da campanha peemedebista em 2002 para denominar a prática de trazer doentes do interior para serem tratados em hospitais da Capital. Segundo Amin, a única mudança foi a compra de ambulâncias maiores e mais potentes.

É do jogo político buscar esse tipo de contradição. Mas uma coisa precisa ficar clara. Amin não perdeu o governo do Estado por causa do Plano 15, das promessas de descentralização admistrativa. É dar importância demais ao marketeiro.

Amin perdeu a eleição em que concorreu à reeleição por salto alto no primeiro turno, quando todos apostaram as fichas em uma tranqüila vitória no primeiro turno. No segundo turno, perdeu para Joinville e para o PT. A força de Luiz Henrique em sua base era mais do que evidente, mas seria naturalmente compensada pela igual penetração de Amin na Grande Florianópolis. A diferença foi o apoio ostensivo dos petistas naquele segundo turno, a bordo da onda Lula.

Os petistas conseguiram diminuir a vantagem natural que Amin teria no eleitorado da Capital, fazendo com que Joinville fizesse a diferença em favor de LHS. Não se pode esquecer que a diferença de votos foi de apenas 20 mil.

Eleito LHS, aí sim a descentralização administrativa entrou em campo eleitoralmente. A conjugação da forte divulgação publicitária e a criação das estruturas próximas da população foi vital nas eleições de 2006. Sem ela, talvez Luiz Henrique não tivesse conseguido concretizar a tríplice aliança com PSDB e PFL que lhe garantiu o segundo mandato. Mesmo com o apoio do PT e a forte votação que Amin recebeu na Grande Florianópolis.

Cobrar agora os resultados da deslitorização prometida com base nos números do IBGE, já disse, é do jogo político. Mas soa como dor-de-cotovelo e tentativa de se manter em evidência em período eleitoral. O que também é do jogo político e sinaliza - no mínimo - que os Amin não vão ficar passivamente fora do tabuleiro em 2010. É a vez de Ângela.

2 comentários:

Fran Hellmann disse...

Gostei de não "dar importância demais ao marketeiro". hahaha

deepakw3c disse...

This blog is highly informatics, crisp and clear. Here everything has been described in systematic manner so that reader could get maximum information and learn many things. This is one of the best blogs I have read

Printer support
Printer Repair
Virus and Security Solution

 
BlogBlogs.Com.Br